Fale conosco - Downloads - Notícias
Home
Notícia
<< Voltar

Ano de crise, mas de avanços importantes na agenda bilateral

23/11/2015 em Brazilian Business
AmCham Rio lista as prioridades para melhorar ambiente de negócios em 2016
Presidente Dilma Rousseff durante encerramento da Cúpula Empresarial Brasil-Estados Unidos (Roberto Stuckert Filho/PR)
O ano de 2015 não está sendo fácil. Em novembro, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE afirmou que o Brasil vive um momento crítico para recolocar a economia nos trilhos. E estimou que a contração econômica será de 3,1%, em 2015, e de 1,2%, em 2016, contra estimativas em setembro de queda de 2,8% e 0,7%, respectivamente.

De acordo com o secretário-geral da organização, Angel Gurría, será necessário resgatar a reputação de ter políticas macroeconômicas robustas e sólidas, que foi “conquistada a duras penas”. “É importante atingir metas de ajuste fiscal para restaurar a confiança e evitar novos rebaixamentos por agências de risco”, defendeu Gurría.

Em relatório apresentado em Brasília, a OCDE apontou que “um sistema tributário indireto fragmentado, infraestrutura insuficiente, pressões competitivas fracas e baixa integração no mercado internacional estão detendo a indústria do Brasil, que não se beneficia o suficiente das tendências globais". E recomendou controle dos gastos públicos, reforma do sistema previdenciário e melhor direcionamento dos benefícios sociais.

Para o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, é importante ter equilíbrio das contas públicas para reconduzir o País ao crescimento. Além de aumentar tributos, o governo atuou na limitação de benefícios sociais, como o seguro-desemprego, o auxílio-doença, o abono salarial e a pensão por morte, medidas já aprovadas pelo Congresso Nacional. “É necessário que empresas e indivíduos se dediquem às suas atividades com tranquilidade, sem preocupação e incerteza. Porque sabemos que incerteza é o que mata o crescimento”, disse Levy.

Além da crise macroeconômica, a queda do preço do petróleo foi um duro golpe para investidores. O setor deixou de gerar R$ 62 bilhões em renda para o País até 2019, de acordo com estimativa apresentada em outubro pelo Grupo de Economia da Energia – GEE, da UFRJ. Apenas em 2015, o investimento anunciado pelas petroleiras foi reduzido de US$ 236,7 bilhões para US$ 130,3 bilhões.

Com isso, houve queda nas receitas de Estados e municípios dependentes dos royalties, principalmente no Rio de Janeiro. Em agosto de 2015, o repasse para o Estado foi de R$ 200 milhões, R$ 69 milhões a menos do que no mesmo período de 2014. "Essa queda se deve, principalmente, à redução da cotação do petróleo no mercado internacional. O preço do Brent passou de uma média de US$ 110, no primeiro trimestre de 2014, para menos de US$ 50, em agosto de 2015", explicou o economista do GEE, Marcelo Colomer.

Esse cenário negativo, porém, não impediu que 2015 também fosse marcado pela melhora nas relações bilaterais com os Estados Unidos. No dia 30 de junho, a Casa Branca foi o cenário do encontro entre o presidente americano, Barack Obama, e a presidente Dilma Rousseff, que formalizaram um acordo para a efetivação do Global Entry a partir de 2016. O anúncio oficial da adesão brasileira ao programa de facilitação de entrada a viajantes frequentes é considerado um importante passo para o Visa Waiver, programa americano de isenção de vistos.

“O ingresso do Brasil no Global Entry é um pleito antigo da Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro (AmCham Rio) e de entidades parceiras, e um passo importante na relação bilateral Brasil-EUA, uma vez que impulsionará o fluxo comercial entre os países”, disse Rafael Motta, presidente da AmCham Rio, que estava na capital americana durante a visita da presidente Dilma.

O ano de 2015 registrou, portanto, avanços importantes nas áreas de comércio, energia, tributária e inovação, tópicos da agenda de prioridades da AmCham Rio. E, com os pleitos renovados, a câmara se prepara para atuar em 2016 com o objetivo de melhorar o ambiente de negócios, a livre circulação de pessoas e de mercadorias, o incremento das relações bilaterais com os Estados Unidos, além de promover o networking qualificado.

Será fundamental, sobretudo em tempos de crise, aproveitar as janelas de oportunidades do ano que vem. A maior delas, certamente, está associada à realização da Olimpíada no Rio de Janeiro. Na véspera da cerimônia de abertura, a AmCham Rio realizará um evento no novíssimo Museu do Amanhã e colocará lado a lado autoridades, empresários e líderes brasileiros e americanos.

Outros eventos que fazem parte da agenda premium da câmara são as comemorações dos 100 anos da AmCham Rio, a realização do Business Future of the Americas e a cerimônia de posse da nova diretoria. Oportunidades que podem fazer de 2016 um ano bem melhor.

Confira as prioridades por setor:

prioridades2016
Agenda

mantenedores

OURO

PRATA

  • Praça Pio X, 15 / 5º andar – Centro
    CEP: 20040-020 – Rio de Janeiro/RJ
  • + 55 (21) 3213-9200
    Fax: 55 (21) 3213-9201
  • amchamrio@amchamrio.com
Redes AmChamRio
  • COPYRIGHT © 2012.