Fale conosco - Downloads - Notícias
Home
Notícia
<< Voltar

Overview :: Brazilian Business N.291

19/05/2015 em Brazilian Business
Coonfira as principais notícias do mercado na coluna assina pelos gerentes da AmCham Rio
O maior negócio da década
A compra da BG pela Shell, por cerca de US$ 69 bilhões, já é considerada o maior negócio da década envolvendo empresas do setor de óleo e gás. Com esse movimento, a anglo-holandesa Shell, que é associada à AmCham Rio, aumenta em quatro vezes a produção no Brasil, passando a ser a principal parceira da Petrobras no País. A produção da Shell poderá saltar para 550 mil barris de óleo equivalente por dia em 2020, se o acordo for concluído. Nos planos da gigante, o navio Prelude FLNG (foto), maior plataforma petrolífera móvel do mundo. Os ativos em águas profundas no Brasil e gás na Austrália foram dois dos principais interesses estratégicos da petroleira ao fazer a proposta pela BG.

Mais investimentos
A Roche – uma das empresas líderes em biotecnologia no mundo – vai investir R$ 300 milhões nos próximos cinco anos na unidade fabril de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. O volume de investimento, segundo o presidente da Roche Brasil, Rolf Hoenger, será direcionado à modernização e adaptação das instalações da fábrica, que se tornará o hub exportador da Roche para a América Latina e, potencialmente, para outras regiões. Com quatro das dez maiores companhias farmacêuticas do mundo e 113 empresas de biotecnologia, o Rio de Janeiro se consolida como um polo do setor.

Menos recursos
A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) reduziu de 85% para 70% a participação nos contratos de apoio a projetos de exportação e investimentos assinados com entidades setoriais. A medida vale para contratos assinados a partir de abril de 2015. A Apex-Brasil mantém, atualmente, contratos com cerca de 80 entidades de setores como têxtil, calçados, joias e gemas, máquinas e cerâmica. Segundo a agência, a medida permitirá otimizar os recursos disponíveis para outros setores, como games, softwares, moda, vinho e equipamentos médicos.

Mais água...
Em meio ao cenário nacional da crise hídrica, as iniciativas empresariais voltadas para a proteção da água vêm ganhando mais espaço. No ano de 2014, a Odebrecht Óleo e Gás deu início à recuperação de três nascentes degradadas da Área de Proteção Ambiental (APA) do Pratigi, localizada no Baixo Sul da Bahia. A empresa teve apoio do Programa Carbono Neutro Pratigi, da Organização de Conservação da Terra (OCT), para realizar o replantio de 3.998 mudas, de 39 espécies nativas diferentes, em propriedades rurais da região.

...Menos carbono
A recuperação florestal tem o propósito de neutralizar, pela primeira vez, a emissão de gases do efeito estufa das atividades da Odebrecht Óleo e Gás nos escritórios de Itajaí (SC) e Macaé (RJ). Ao longo de 30 anos, a restauração compensará o total de 639.84 toneladas de CO2 emitidos pela empresa em 2013. A iniciativa, além de garantir a melhoria da qualidade dos mananciais e o abastecimento de água para os produtores rurais da região, traz uma nova fonte de renda aos agricultores, que recebem R$ 1 por cada nova muda plantada.

Inovação em queda
Houve um recuo de 4% no registro de marcas e de 2,8% no de patentes em 2014 em relação ao ano anterior. Os dados foram divulgados no início deste ano pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi). Quando considerados apenas os depósitos feitos pelo Brasil, excluindo os de estrangeiros, os índices são ainda piores: 3,4% em marcas e 8,5% em patentes. Esses indicadores refletem investimentos na área de inovação. Segundo especialistas, a crise na Petrobras, que responde sozinha por cerca de 20% a 25% do total das inovações feitas no País, reflete diretamente nesses indicadores.

Airbus investe no Rio
O grupo europeu Airbus instalou, em abril, no Rio de Janeiro, um centro de manutenção para a frota de aeronaves de patrulha marítima P-3 e de transporte militar Amazonas, da Força Aérea Brasileira. O projeto foi feito em parceria com a empresa brasileira Digex, do grupo Synergy. As duas empresas estão contratando cerca de 20 engenheiros e técnicos para trabalhar no centro da Airbus. Também em abril, a Helibras, controlada pela Airbus, entregou para o governo do Rio de Janeiro dois helicópteros EC-145 (foto), que serão utilizados em missões policiais e vão auxiliar a segurança dos Jogos Olímpicos de 2016.

Foco na Olimpíada
De olho na Olimpíada, duas grandes redes hoteleiras inauguraram, em abril, novas unidades no Rio de Janeiro. No dia 9, o Hilton abriu as portas do segundo empreendimento no Brasil, na Barra da Tijuca. No dia 14, foi a vez do Mercure, também na Barra, que já tem 90% dos leitos reservados pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) para os jogos. A Riotur prevê que, até o fim do ano, 15 mil quartos ficarão prontos, dos quais 10,5 mil somente na Barra da Tijuca.
Agenda

mantenedores

OURO

PRATA

  • Praça Pio X, 15 / 5º andar – Centro
    CEP: 20040-020 – Rio de Janeiro/RJ
  • + 55 (21) 3213-9200
    Fax: 55 (21) 3213-9201
  • amchamrio@amchamrio.com
Redes AmChamRio
  • COPYRIGHT © 2012.