Fale conosco - Downloads - Notícias
Home
Notícia
<< Voltar

Sustentabilidade é essencial nas empresas

30/06/2017 em Notícias
Seminário da AmCham Rio discute a importância de adotar estratégias sustentáveis no dia-a-dia das empresas
Vânia Marques, Renata Chagas, Noel de Simone, Dyene Galantini, Vandré Brilhante e Frederico Mitchell
‘’É possível não integrar a sustentabilidade à estratégia de negócio? Não. Tem que integrar’’. Foi com esta pergunta que Vandré Brilhante, diretor-presidente do CIEDS (Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável) abriu sua palestra no seminário ‘’Avanços e Desafios de Sustentabilidade nas Empresas’’, realizado pelos Comitês de Responsabilidade Social Empresarial e de Marketing da AmCham Rio na última quarta, dia 28 de junho.

A importância de ter uma estratégia de negócio preocupada com questões de sustentabilidade ambiental e social e como definí-la foi o principal tema do seminário. Mas por que o conceito virou ponto central na estratégia das empresas hoje em dia? Segundo Vandré, isso teria a ver com uma mudança de perfil das novas gerações: ‘’Temos uma geração Y e Z que fazem escolhas mais conscientes, seja consumindo menos açúcar, seja comprando produtos que não interferem no meio ambiente. As escolhas estão mais conscientes. A gente precisa atrelar a sustentabilidade à marca, à forma com que a gente produz, ao agir da empresa’’.

Uma das grandes multinacionais que percebeu essa tendência foi a Coca-Cola. Frederico Mitchell, gerente sênior de Estratégias de Categorias, Saúde e Bem Estar da marca, mostrou como a empresa vem se adequando à nova realidade: ‘’A gente tenta ver o que está emergindo das pessoas, o que elas querem da Coca-Cola, e juntar com o que seja bom para o nosso negócio. A gente sabe que hoje o mundo é muito diferente do que era há 75 anos atrás, quando a Coca-Cola entrou no Brasil, e nós vemos essa tendência da saudabilidade, da naturalidade, e dentro de alimentação, o açúcar é o principal vilão atualmente’’. Por isso, a marca reformulou todos os produtos com o objetivo de diminuir a quantidade de açúcar, e lançou novas embalagens com uma porção menor de refrigerante, as mini-sleek, com 220ml e menos de 100 calorias.

Além disso, a Coca-Cola também criou estratégias para manter uma produção sustentável, e hoje possui um índice de mais de 80% de compra de matéria-prima de pequenos agricultores, e gasta apenas 1,8l de água para produzir 1l de produto. O alumínio das embalagens é 100% reciclado, e a meta é atingir este mesmo índice com as garrafas PET, cujo percentual de reciclagem é de cerca de 60% atualmente. A marca também investe, através do programa Movimento Coletivo, em projetos sociais ligados à educação nutricional, água e diversidade, e produz, desde 2012, um relatório de sustentabilidade anual conforme as diretrizes da GRI (Global Reporting Initiative).

O relatório de sustentabilidade, aliás, foi o tema da palestra de Vânia Marques, componente do grupo de stakeholders responsável pela revisão das Diretrizes GRI: ‘’O relatório serve para aperfeiçoar a gestão e comunicar o que a empresa faz em relação à sustentabilidade [...] E porque é preciso passar essas informações? Porque já existe uma percepção de que há riscos ambientais, éticos e sociais que podem colocar a empresa em xeque, prejudicar os ativos e interferir negativamente no valor da empresa, na credibilidade e tudo mais’’.

A chave para a elaboração do relatório é o chamado ‘’Princípio de Materialidade’’, que guia todo o processo de produção e de gestão da empresa. O documento deve cobrir tópicos que reflitam os impactos (positivos e negativos) econômicos, ambientais e sociais da companhia. ‘’O relatório não pode ser retrovisor. Você tem que apresentar a informação do ano que passou, mas também precisa apresentar metas. Não precisa ser perfeito, a ideia do relatório não é mostrar a perfeição. É mostrar transparência e a disposição de mudança, porque a ideia é que haja um aperfeiçoamento contínuo’’.

Um dos maiores desafios, segundo Vânia, é conseguir o engajamento interno da empresa em relação às questões sustentáveis. ‘’Não adianta você montar uma super estrutura de compliance e não conseguir engajar as pessoas e mudar a cultura, pra que você realmente faça isso funcionar. Muitas vezes a empresa faz um ótimo relatório e nem apresenta para os empregados, a maioria deles nem conhece’’.

O engajamento interno parece não ser um problema no caso da IHS Markit. Dyene Galantini, gerente sênior de marketing da empresa, mostrou como a companhia conseguiu consolidar uma estratégia de sustentabilidade e explicou como também atingir esse objetivo: ‘’A sustentabilidade permeia tudo que a gente faz, faz parte do plano estratégico, dos objetivos, da performance, está na mente de todos os funcionários’’.

Sob o lema ‘’Live Wise, Live Well, Live Green’’, a empresa alinha seus objetivos internos com os 17 objetivos de sustentabilidade elaborados pela ONU a partir de ações como pensar no conforto dos funcionários, manter atitudes ecologicamente corretas no ambiente de trabalho e elaborando programas como o Volunteer Time Off, no qual os empregados podem tirar até três dias de serviço para a prática de trabalho voluntário.

Tudo isso, segundo Dyene, se traduz em crescimento e geração de valor para a empresa: ‘’Os clientes são importantes pra todos nós. Alguém feliz na empresa vai tratar os clientes com uma excelência muito maior [...] a última pessoa que se demitiu da IHS foi em 2014. Isso significa que estamos no caminho certo’’.

Confira as fotos do evento: http://bit.ly/2txdNFG
Agenda

mantenedores

OURO

PRATA

  • Praça Pio X, 15 / 5º andar – Centro
    CEP: 20040-020 – Rio de Janeiro/RJ
  • + 55 (21) 3213-9200
    Fax: 55 (21) 3213-9201
  • amchamrio@amchamrio.com
Redes AmChamRio
  • COPYRIGHT © 2012.